Geral

HSV amplia leitos de enfermaria exclusivos para pacientes covid

Esta é a sexta ampliação de leitos somente no mês de março na estrutura do Hospital São Vicente de Paulo


Em mais uma ação para a ampliação dos leitos de atendimento público exclusivos para COVID-19, a Prefeitura de Jundiaí e o Hospital São Vicente de Paulo (HSV) ampliaram em mais 15 novos leitos de enfermaria para pacientes com suspeitas ou confirmados. Esta é a sexta ampliação somente no mês de março na estrutura do hospital. Desde esta terça-feira (16), são 183 leitos exclusivos COVID-19 públicos (83 UTI e 100 enfermaria). O total é 8% maior que o disponibilizado na estrutura centenária durante o primeiro pico da pandemia.

"Jundiaí conta com Plano Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus que direciona as ações conforme os cenários epidemiológicos identificados. A situação vivenciada nas últimas duas semanas são as mais agressivas e com maior demanda por atendimentos e leitos. A administração implementa as medidas necessárias para o combate, mas somente com a colaboração da população conseguiremos superar essa fase crítica", comenta o prefeito Luiz Fernando Machado.

A cidade iniciou o ano de 2021 com 82 leitos dedicados, e agora, oferece 183 leitos, ou seja, incremento de 123% em menos de três meses.

"As ampliações foram possíveis a partir das parcerias firmadas com o Hospital Regional e com a aquisição de leitos no Hospital Santa Elisa. Porém, as estruturas são finitas. A cidade já opera com 8% a mais que o ofertado durante o pior pico registrado no ano passado, quando eram oferecidos 167 leitos no HSV. É essencial que a população, principalmente os jovens, adotem as medidas de proteção, com o uso de máscara, distanciamento social e higienização das mãos. O vírus só circula de carona com as pessoas", resume o gestor da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) Tiago Texera.

 

Em números


De acordo com o superintendente do HSV, Matheus Gomes, a média móvel de novas internações diárias nos últimos sete dias é de 20, contra 6,43 há um mês. Outro indicativo de cenário diferente do pico anterior é em relação à idade dos casos. Em janeiro foram internados 92 pacientes com idades abaixo dos 60 anos e neste mês, só até o dia 15, foram 135 internados nesta faixa etária.

"O impacto das internações em pessoas mais jovens é a ampliação no tempo para a alta. Outro agravante é que os casos nas pessoas que até então não eram consideradas grupos de risco, têm evoluído negativamente. Somente com a união dos esforços será possível superar mais esse desafio imposto pelo vírus Sars-CoV-2", salienta o superintendente.