Geral

Fase Vermelha: Jundiaí mantém funcionamento de serviços essenciais

As 6 mil viagens que foram realizadas diariamente no último mês pelo transporte público serão mantidas


As mesmas 6 mil viagens realizadas diariamente no último mês serão mantidas

Em Jundiaí, os atendimentos públicos em Saúde, Educação e Transporte serão mantidos sem alterações durante o período de vigência da Fase Vermelha do Plano São Paulo de Retomada Econômica, que prossegue até sexta (19). Os setores classificados como não essenciais permanecem fechados durante o período e, aqueles autorizados ao funcionamento, conforme o decreto 29.789 de 05 de março de 2020, devem atender rigorosamente os protocolos sanitários específicos.
"O cenário da pandemia exige a intensificação dos cuidados e redução na circulação de pessoas. O decreto avança para aplicação das restrições aos setores identificados pelo Estado, mas sem desguarnecer a população na prestação dos serviços essenciais", ressalta o gestor da Unidade de Gestão da Casa Civil (UGCC), Gustavo Leopoldo Caserta Maryssael de Campos.

Transporte

As mesmas 6 mil viagens que foram realizadas diariamente no último mês pelo transporte público, em Jundiaí, serão mantidas na Fase Vermelha, desta forma, contando com maior oferta que durante o pico do ano anterior. "Somente com o apoio de todos, no sentido de usar a máscara, higienizar as mãos e manter o distanciamento, será possível avançar na luta contra o Novo Coronavírus", explica o gestor Aloysio Queiroz.
Além dos totens de álcool em gel disponíveis nos terminais de transporte público, a Unidade de Gestão de Mobilidade e Transporte (UGMT) irá instalar mais dispositivos para uso da população. Outra medida, será a intensificação das orientações por técnicos da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) para a atenção às regras sanitárias de proteção individual e coletiva. A higienização dos veículos - já realizada com lavagens e aplicação de produto sanitizante - deverá ser intensificada, bem como a limpeza das plataformas.

Saúde

"As medidas mais intensas de restrição têm por objetivo conter o avanço do vírus reduzindo a circulação de pessoas e, consequentemente, do Sars-CoV-2. Neste momento, diferentemente do vivenciado no ano passado, quando as pessoas estavam em casa, a ocupação dos leitos tem a concorrência das demais demandas, como acidentes, além da COVID-19", explica o gestor da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), Tiago Texera.
O gestor da UGPS ainda reforça que os atendimentos em Saúde realizados no serviços não terão alteração ou suspensão, mantendo as agendas já feitas e os atendimentos de acolhimento da população.

Educação municipal

Uma das áreas que sempre suscitam dúvidas e questionamentos é a da educação, que envolve milhares de crianças e adolescentes. Em março de 2020, quando a pandemia iniciou no Brasil, a educação no sistema presencial foi totalmente descartada pelas autoridades pelo receio de contágio e riscos ainda pouco conhecidos. Neste momento, o cenário é grave mas a área do Saber dentro do Estado de São Paulo está sendo encarada com outros 'olhos' por gestores. Em Jundiaí, segundo os dados validados pelas Unidades de Gestão de Educação (UGE) e Promoção da Saúde (UGPS), a educação agora é prioridade, bem como a importância de atividades ao ar livre, assim como estabelece o desemparedamento implantado na rede municipal.
Questionada sobre possíveis critérios de qual perfil de alunos deveriam ter 'prioridade' em estar acompanhando aulas presenciais no ensino municipal, a Unidade de Gestão de Educação (UGE), através da gestora Vasti Ferreira, informou que a unidade segue rigorosamente as orientações do Comitê de Enfrentamento e que não há alterações no ensino e muito menos grupos prioritários, e sim bom senso entre as famílias.
A UGE adianta que as aulas são realizadas prioritariamente dentro do projeto de desemparedamento, ou seja, desenvolvidas em espaços abertos, ao ar livre e em contato com a natureza. Vale salientar que as escolas contam com protocolo específico para garantir a segurança de profissionais e estudantes, com distanciamento, uso de máscaras, higienização, fluxos de entradas e saída e aferição de temperatura. "Jundiaí conta com protocolos sanitários rígidos que estão sendo seguidos por todos os educadores em todas as unidades municipais de Educação. O planejamento em formato híbrido, ou seja, com atividades on-line e presenciais focadas ao ar livre, foi apresentado às famílias, que manifestaram ou não o interesse em encaminhar as crianças para as atividades presenciais", explica a gestora da UGE, Vastí Ferrari Marques.
De acordo com dados da Vigilância Epidemiológica, o contingente de educadores contaminados pelo vírus Sars-CoV-2 desde o dia 1 de fevereiro foi de 25 pessoas, sem contaminação interna ao ambiente escolar, em um cenário de movimentação de mais de 20 mil pessoas entre profissionais e estudantes.

Rede Estadual

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, disse em recente coletiva de que as aulas na rede estadual também seguem rigorosamente os protocolos de higienização e as famílias que desejam enviar os filhos para o sistema presencial escolar, podem optar. Há também a questão de um grupo de estudantes que tiveram defasagem educacional no ano passado, por não contar com equipamentos tecnológicos para assistir às aulas remotas ou se utilizam também da escola para se alimentar, devido às dificuldades sociais. Para este grupo, há uma prioridade para o acompanhamento presencial. Vale lembrar que em algumas escolas estaduais de Jundiaí está havendo rodízio de turmas numerosas, restringindo o número em salas de aula, respeitando o isolamento social, mas oportunizando aos mesmos o contato com os professores e colegas, com uso irrestrito e obrigatório de máscaras, dentro de um horário mais flexível. E os que não estão fazendo a semana presencial, ficam em casa acompanhando on-line.