Esportes

Jundiaiense acerta com o Sub-15 do Salgueiros de Portugal

Ricardinho, de 15 anos, é exemplo de talento do futebol que está tendo oportunidade de aparecer na Europa


A história do jovem jundiaiense Ricardo Destro Facuri, 15 anos, é daquelas de rara oportunidade e que tendo o respaldo familiar, as mudanças acontecem naturalmente em prol de uma carreira de sucesso promissor. Desde os 5 anos de idade, Rick, como é mais conhecido, já tinha o apoio dos pais para jogar futebol e começou a mostrar todo o seu talento. Hoje ele desponta como uma promessa de grande jogador profissional e uma realidade para o futebol português. Há três semanas, assinou um contrato pelo Sub-15 do Salgueiros, equipe da 2ª Divisão do Futebol Português, localizado no Porto e já está disputando o Campeonato Nacional Português, conciliando os estudos em período integral. "Eu vim para Portugal para procurar um clube e logo no primeiro dia de testes eu já entrei no Salgueiros e fiquei surpreso, pois meus colegas me receberam bem e está sendo uma experiência muito boa. Eu espero ganhar a titulariedade e mais pra frente buscar clubes maiores", disse o jundiaiense. 

A mãe de Ricardinho, a jornalista Juliana Destro Facuri, conta que em 2018 Ricardinho decidiu batalhar a carreira no futebol. Começou a gostar do esporte aos 5 anos, mas há um ano já jogava de forma amadora no Audax de Osasco (Sub-14) e no projeto Pequeninos do Jóquei. "No ano passado ele disputou o Dana Cup (Dinamarca), o Gothia Cup (Suécia) e Helsink (Finlândia) e aquele intercâmbio despertou nele e em nós a vontade de apostar numa carreira internacional, já que percebemos que era mais difícil estudar e jogar no Brasil e aí pensamos numa carreira na Europa, onde os treinos são em horários mais acessíveis, à noite, onde não atrapalham os estudos. Fez alguns testes em Portugal em clubes grandes e como não tinha cidadania portuguesa ainda e acabamos vindo sem clube. Mudamos no dia 20 de janeiro para a cidade do Porto", conta Juliana, que lembra que o marido ficará no Brasil e fará duas visitas ao ano para a Europa. "Essa foi a decisão mais difícil, teremos que nos dividir, mas para o bem deles".

Para surpresa da família, Rick foi fazer um teste no Salgueiros, onde normalmente selecionam os aprovados em três semanas, e o jundiaiense agradou logo no primeiro treino. "O coordenador do clube ligou para o agente do Ricardinho e pediu toda a documentação para que ele fosse federado junto à Federação Portuguesa de Futebol, e à Fifa que deveria autorizar a estada de um brasileiro em outro país". É um clube reconhecido e foi muito legal pois, literalmente, nós nos aventuramos, mas de forma calculada. Mas nossa decisão foi baseada no crescimento e desenvolvimento deles, pois tenho uma menina mais nova que o Ricardinho", detalha Juliana.

Dentro de três meses, obtendo a cidadania portuguesa, Rick também poderá vir a defender a seleção portuguesa Sub-15 também, já que ele e a família entendem que é uma boa oportunidade, menos concorrida do que tentar algo no seu país de origem, o Brasil. "Na Europa a quantidade de jogadores é menor e a probabilidade é maior de poder jogar. Foi muito bem aceito pelo grupo, pela comissão técnica e entrou no Sub-15 A e estamos muito felizes. Entrou jogando como atacante de lado, mas já passou a atuar como meia e próximo de acertar seu primeiro contrato profissional. Um sonho realizado para todos nós", diz ela, que vai se dividir entre Brasil e Portugal, pois tem empresa na região.