Economia

Natal: vendas tiveram aumento de 3,5% em comparação com 2019

Para boa parte dos comerciantes, o horário estendido em dezembro foi positivo para auxiliar vendas


As vendas no Natal de 2020 tiveram aumento de 3,5%, em comparação com o mesmo período em 2019, segundo pesquisa realizada pelo Sindicato do Comércio Varejista de Jundiaí e Região (Sincomercio) e pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Jundiaí (CDL).

O resultado do levantamento, feito em todos os segmentos assistidos pelas entidades, vai ao encontro da projeção estimada de crescimento das vendas em até 4%. A pesquisa também revelou que o valor do tíquete médio dos presentes foi de R$ 120. Para boa parte dos comerciantes ouvidos, a adoção do horário estendido em dezembro foi positiva para auxiliar nas vendas.

Na opinião de Edison Maltoni, presidente do Sincomercio e da CDL Jundiaí, o ano de 2020 tem sido um dos mais difíceis, senão o mais desafiante, para o varejo brasileiro. "Jundiaí é uma cidade com características peculiares, especialmente durante crises, já que consegue reverter cenários complicados por sua diversidade econômica. A pandemia provocou grandes dificuldades para o comércio, mas o Natal, apesar de toda a conjuntura adversa, traz alguma recuperação para o setor, o que será importante para iniciarmos com algum otimismo um novo ano", analisa Edison Maltoni, presidente do Sincomercio e da CDL Jundiaí.

Expectativa nacional

O Natal é a principal data comemorativa do varejo brasileiro, devendo movimentar R$ 38,1 bilhões neste ano, conforme a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que projeta crescimento real de 3,4% das vendas. Uma vez confirmada essa projeção, o setor experimentará o maior avanço real das vendas natalinas desde 2017 (3,9%).

Horários

Até quinta-feira (31), o comércio de rua e shoppings funcionarão no horário normal, seguindo os protocolos de segurança adotados. Já entre os entre os dias 1º e 3 de janeiro de 2021, todas as regiões do Estado de São Paulo retornarão para a Fase Vermelha do Plano São Paulo de Retomada Econômica que permite o funcionamento de segmentos considerados essenciais.

A próxima reclassificação do plano será feita no dia 7 de janeiro de 2021, contudo, o Governo de São Paulo já anunciou que nenhuma das regiões do Estado voltará à fase verde em janeiro.